Quarta, 06 de julho de 2022

AO VIVO

Auxiliadora 105.9 FM

Amambai/MS



Paciente alega suposta venda de remédios no Hospital Regional de Amambai

Caso veio a tona depois que paciente publicou na rede social Facebook, uma nota alegando que o hospital estava vendendo remédios. Hospital esclareceu o fato.

13/01/2018 00:35

Hospital Regional de Amambai. Foto: Auxiliadora News

Amambai (MS) – O Hospital Regional de Amambai, administrado por uma associação filantrópica do município, teve que se explicar diante do caso que envolveu um paciente alegando que o hospital estaria vendendo remédios.

Segundo Paulo Sérgio Catto, diretor do Hospital Regional, uma nota publicada no facebook alegando se um Hospital Público podia vender remédios trouxe a tona uma questão a ser sanada sobre o próprio Hospital.

A direita, Paulo Sérgio Catto, diretor do hospital, a esquerda Alcides Charão, presidente da Sociedade Amigos de Amambai.

Afinal, o Hospital Regional é público?

Não. Em entrevista o diretor explicou que o Hospital Regional não é público, mas, filantrópico, ou seja, uma associação sem fins lucrativos que, é a responsável pela administração do hospital. Segundo a Femipa, essas instituições são contratadas pelos gestores públicos para prestarem serviço ao Sistema Único de Saúde (SUS).

Grande parte dos hospitais filantrópicos atende pelos planos de saúde existente no país e também presta serviço aos pacientes de forma particular. Algumas instituições possuem inclusive planos de saúde próprios.

Diante do fato, a administração do hospital esclarece que a venda de medicamentos não é proibida, mas, não é a finalidade do hospital, “os medicamentos são de uso exclusivo dos pacientes atendidos no hospital e, todos os meses a associação repõe esses medicamentos”, destacou Paulo.

O diretor do hospital disse durante a entrevista que o caso publicado na rede social já foi informado ao poder público municipal bem como ao secretário municipal de saúde.

Ainda, na segunda-feira (15), Paulo participará do programa “Noticiando 105”, às 12hs, na rádio comunitária Auxiliadora FM, esclarecendo mais sobre o fato e, respondendo as perguntas da comunidade amambaiense.